Vale a pena aceitar cartão de crédito e débito no seu negócio?

Tempo de leitura: 6 minutos

Apesar dos pagamentos digitais estarem em ascensão, empreendedores ainda resistem ao cartão de crédito e/ou débito nos pagamentos.

Estamos em 2021 e os cartões de crédito e débito são os meios de pagamento mais usados pelos brasileiros. Porém ainda há empreendedores que resistem a essa forma de pagamento. Isso acontece por causa das taxas administrativas das plataformas das maquininhas – conhecidas como adquirentes.

Será que compensa limitar os meios de pagamento aceitos no seu negócio a fim de não pagar taxas? Veja os pós e os contras de aceitar ou não os cartões como meio de pagamento.

Por que aceitar cartão de crédito e débito?

Pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviçõs (Abecs) mostra crescimento de 52% dos pagamentos com cartão no segundo trimestre de 2021. No total, mais de 600 bilhões foram movimentados, só em vendas no cartão.

Cartões de crédito e débito estão na frente dos pagamentos feitos em lojas físicas brasileiras, passando o dinheiro, como mostra pesquisa da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), onde Compras no crédito à vista correspondem por 24% dos pagamentos; compras no débito 23%; dinheiro em espécie 22% e no crédito parcelado, 19%.

Veja a seguir se vale a pena para o seu negócio vender por cartão.

Os prós e os contras de aceitar cartão de crédito e débito

Vantagens

  • Evita a inadimplência. Aceitando pagamentos por cartão diminui os riscos de não receber o pagamento pela venda. A sua relação com o cliente vai até o ato do pagamento. Após ser feita a transação, o cliente irá pagar a instituição financeira, mas a sua parte já estará garantida por ela;
  • Vender para mais pessoas. Boa parte dos consumidores preferem pagar por cartão e, aceitando esse meio de pagamento, você evita perder vendas;
  • Facilidade no pagamento. O cliente nem sempre vai ter o valor do seu produto em mãos – ainda mais se tratando de itens como eletrodomésticos, por exemplo. Aceitando cartão de crédito, você torna a compra mais flexível, oferecendo o parcelamento;
  • Mais segurança para estabelecimentos físicos. Já que tendo menos dinheiro em espécie no caixa, seu negócio se torna mais seguro e menos visado por criminosos. E por mais que sua loja seja vítima de crime, o prejuízo ainda é menor;
  • Aumento do ticket médio. Você favorece a venda de produtos mais caros flexibilizando as formas de pagamento. Assim, o pagamento não irá pesar tanto no bolso de seu cliente;
  • Mais controle sobre as vendas. Ao usar a tecnologia, é possível organizar e ter um panorama de seus pagamentos. Com o dinheiro vivo, a tarefa de fechar o caixa e depositar as quantias na conta é mais burocrática e desorganizada.

Desvantagens

  • Redução da margem de lucro. Isso porque as vendas pelo cartão de crédito e débito possuem taxas administrativas que variam, na média, entre 2% e 3,5%. Assim, o lucro se torna menor;
  • Mais despesas mensais. Além das taxas, normalmente é cobrado um valor de aluguel da maquininha. O preço do aluguel varia conforme o tipo de equipamento.
  • Prazos de recebimento. Vendendo por cartão, o dinheiro do pagamento não entra imediatamente na sua conta. Os depósitos levam de 1 a 30 dias, conforme o formato de repasse da operadora e o tipo de pagamento (débito, crédito à vista, ou crédito parcelado).

A diferença entre o cartão de crédito e débito no recebimento

Há algumas diferenças no recebimento e nas tarifas pagas que variam conforme o tipo de venda no cartão.

Como funciona a venda por débito?

Na venda feita pelo cartão de débito, o valor é debitado de seu cliente no instante da compra e depositado na sua conta em até 1 dia útil, em média. Além das tarifas do débito geralmente serem mais baratas.

Para saber o valor das taxas de transação, veja as regras da operadora de cartão escolhida pelo seu negócio.

Como funcionam as vendas pelo crédito à vista?

Os valores no cartão de crédito à vista são repassados em uma parcela, podendo levar até 30 dias para serem depositados. Além disso, geralmente as tarifas são mais baratas que as vendas parceladas, porém mais caras que vendas no débito.

Como funciona o crédito parcelado?

As vendas parceladas costumam ter as maiores taxas e são depositadas na conta da sua empresa, ou e sua conta pessoal, também parcelada.

São muitas as diferenças na cobrança de taxa das operadoras de maquininhas nas vendas parceladas. Algumas ainda possuem planos de antecipação de recebíveis. Portanto, o repasse varia de acordo com o contrato que você assina com a operadora.

Como calcular os juros da maquininha de cartão? 

Para fazer esse cálculo é preciso saber o valor da taxa administrativa por transação.

Por exemplo, se a taxa é de 2,5%, você desconta esse percentual do valor total do seu produto dessa maneira:

  • Seu produto custa R$ 100 e a taxa é de 2,5%;
  • 2,5% de R$ 100 é R$ 2,50;
  • Logo, você receberá R$ 100 – R$ 2,50. O que significa um repasse R$ 97,50.

Com a compra parcelada, o cálculo fica mais complexo. Isso porque a taxa é acrescentada sobre cada parcela.

Exemplo: se esse mesmo produto de R$ 100 for parcelado em 3 vezes e a taxa é de 2,5% com acréscimo de 1% nas parcelas seguintes, para calcular o total some 1% aos 2,5% por parcela (sem considerar a primeira, porque a primeira é à vista).

Isto é, será cobrado na primeira parcela uma taxa de 2,5% e, logo após, 3,5%. Dessa forma:

  • Se o seu produto custa R$ 100, cada parcela terá valor de R$ 33,33;
  • Na primeira parcela será debitado 2,5% de R$ 33,33. Ou seja, R$ 0,83. E será depositado para você o valor de R$ 32,50;
  • Já nas parcelas seguintes será debitado 3,5% de R$ 33,33. Ou seja, R$ 1,16. Assim, vai ser depositado na sua conta R$ 31,34 em cada uma das parcelas;
  • Ao fim das parcelas você terá recebido R$ 95,18 ao todo pelo produto.

Como amenizar a diminuição do lucro nas vendas no cartão?

Isso pode ser feito de duas formas. Primeiramente é calcular a média de perda de lucro nas vendas por cartão e depois aumentar o valor dos seus produtos.

Apesar de perder parte do lucro com taxas, vale ressaltar que você ganha no volume de vendas.

A outra maneira é fazer o repasse da taxa diretamente para seu cliente. Por mais que essa prática seja permitida quando o consumidor sabe que está pagando mais caro do que outros clientes que usam outros meios de pagamento, é pouco recomendável.

Assim, o cliente irá sentir que está pagando mais do que deveria, fazendo com que ele desista da compra. Dependendo de como é cobrada a taxa, pode ainda soar deselegante com o cliente que deu preferência ao seu negócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *