Paynow entrevista: Economista André Nunes

Tempo de leitura: 4 minutos

André Nunes de Nunes, Doutor em Economia Aplicada pela UFGRS e suas perspectivas para a economia.

Paynow: André, quais perspectivas econômicas que você  analisa para o Brasil pós pandemia do Covid-19?

André: Já virou comum dizer que vivemos uma crise sem precedentes e diferente de outras. Quase 90% dos países enfrentarão uma recessão no ano de 2020 e cerca de 80% apresentarão retração no PIB per capita. Por exemplo, recentemente a economia americana registrou uma retração de 5% no PIB no primeiro trimestre e a França divulgou a expectativa de queda de 11% do PIB nesse ano. Já o relatório Focus, mostra uma perspectiva de contração de 6,25% para o Brasil em 2020.

Parafraseando Paul Krugman, Prêmio Nobel em Economia, as economia foram colocadas em coma induzido pelos governos diante da opção de distanciamento social como resposta aos surtos de contágio. Agora que as economias parecem tentar acordar desse coma, nos resta tentar delinear o que será daqui pra frente.

Paynow: Em um ”cenário a curto prazo” quais seriam as medidas a serem tomadas?

André: Para os próximos três meses, entre os diversos desdobramentos possíveis, destacamos dois cenários que acreditamos serem os mais prováveis e que abarcam a maioria das possibilidades. O primeiro deles, mais otimista, e que parece ser o cenário base da maioria dos analistas, está alicerçado na hipótese de que o gradual processo de abertura e retomada da atividade iniciado em maio terá continuidade sem que haja um significativo impacto das segundas ondas de surto de COVID-19 sobre a atividade. Assim, surtos localizados teriam como resposta das autoridades públicas a retomada do distanciamento em algumas cidades, mas nada comparável com a paralisação de abril. Assim, a atividade retornaria com mais força já em junho e continuamente a partir do terceiro trimestre.

 Paynow: E você acredita que possa existir um cenário alternativo?

André: O cenário alternativo, mais pessimista para o curto prazo, trata de abarcar a possibilidade de novos surtos com ondas de intenso fechamento da economia ao longo de todo o ano de 2020 até que se chegue a um elevado grau de imunização da população ou a um tratamento/vacina para a doença. Nesse caso, os impactos econômicos seriam ainda mais catastróficos, tendo em vista que a cada tentativa frustrada de abertura, os impactos econômicos se multiplicariam com pressões sobre as autoridades públicas para agirem com ainda mais rigidez.

Paynow: E você acha que podemos acreditar em um cenário mais otimista?

André: No cenário mais otimista conseguiríamos retornar ao patamar de fevereiro de 2020 até o final do primeiro semestre de 2021. No cenário alternativo teríamos um maior volume de perdas permanentes na nossa capacidade produtiva e seria necessário bem mais de um ano para restabelecer o patamar anterior.

É importante lembrar que as medidas lançadas pelo Governo Federal para amenizar os efeitos da pandemia na economia são paliativas, não evitam uma queda forte da atividade e perdas irrecuperáveis para as indústrias. As medidas mais agressivas são sociais e ajudam pouco as indústrias de forma direta. Por exemplo, a política de crédito mais contundente, aquela em que o Governo arca com 85% do risco, foi destinada, inicialmente, apenas para as despesas com a folha de pagamentos, ou seja, para que a empresa pague o salário de um funcionário que muitas vezes está proibido de trabalhar. Veja que nesse caso o Governo quer que o empresário se endivide para fazer política social.

Além disso, o Governo Federal tem poder de fogo limitado, a dívida pública se aproxima de 100% do PIB, o que é muito acima do que os demais países emergentes apresentam. O Instituto Fiscal Independente, ligado ao Senado, aponta um cenário de déficits fiscais durante toda a década de 2020, ou seja, as receitas serão insuficientes para pagar as despesas primárias levando ao crescimento da dívida pública. Não há dúvidas de que o desafio fiscal brasileiro para os próximos anos será gigantesco. Portanto, precisamos aprender a conviver e produzir num ambiente com o vírus. A dicotomia entre preservar vidas e a economia é falsa, inclusive no que se refere à perda de vidas, na medida em que há um dano permanente provocado pela depressão econômica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *